Santuário de Baleias do Atlântico Sul, abrigo de fauna e flora marinha



É comum a presença de baleias no litoral de Santa Catarina, especialmente nesta época do ano, durante o inverno, quando diversas espécies se aproximam da costa brasileira em busca de águas quentes e enseadas protegidas para o nascimento de seus filhotes. As baleias-francas-austrais (Eubalena australis), por exemplo, se concentram na região sul do país durante o inverno para a temporada reprodutiva, enquanto as jubartes (Megaptera novaengliae) migram para o nordeste na mesma época do ano.


Por isso, é importante ter consciência da necessidade de proteção deste animais para o bom funcionamento dos ecossistemas marinhos. Na costa catarinense é possível avistar baleias, principalmente as baleias-francas durante a fase reprodutiva, e na Baía Babitonga não é diferente. Há, inclusive, diversos casos da presença delas nas praias dos municípios de Itapoá, São Francisco do Sul e Balneário Barra do Sul.



Para garantir a recuperação das populações de baleias foi proposta a criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul, que visa manter ou aumentar os níveis dos estoques das diferentes espécies de baleias que ocorrem na região, mitigando ameaças para estas populações.


A proposta foi avaliada pela primeira vez pela Comissão Internacional Baleeira (CIB) em 2001, mas não foi adotada. Na próxima reunião, que será realizada entre 20 e 28 de outubro de 2016, na Eslovênia, o tema será abordado novamente e a expectativa é de que seja aprovado.


Pelo menos 51 espécies de cetáceos habitam as águas do Oceano Atlântico Sul. Seis delas (azul, fin, sei, minke antártica, jubarte e franca) são baleias altamente migratórias que se alimentam nos oceanos Antártico e Subantártico durante o verão e se reproduzem em águas tropicais, subtropicais e temperadas no inverno e primavera. Também serão protegidas pelo santuário as baleias cachalote, bryde, pigmeia, e toninhas, que formam espécie endêmica de cetáceo, de menor tamanho, e que estão entre os mamíferos aquáticos mais ameaçados do Atlântico Sul.


No sábado (27/8), a Unidade de Estabilização da Fauna Marinha do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP), executado pela Universidade da Região de Joinville (Univille), resgatou uma baleia jubarte morta em Balneário Barra do Sul. O animal era um macho juvenil com 9 metros de comprimento e aproximadamente 15 toneladas. Pelo tamanho, tinha aproximadamente um ano de vida. Faça sua parte da defesa destas espécies e deste santuário. Ao encontrar animais marinhos vivos ou mortos na Baía Babitonga, ligue para o PMP-BS: 0800-642-3341 (47) 3471-3816 (47) 9212-9218 Com informações do Projeto de Monitoramento de Praias (Univille)

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square